sexta-feira, 21 de maio de 2010

Quero morrer nos braços do amor



QUERO MORRER NOS BRAÇOS DO AMOR

Clóvis Campêlo

Quero morrer nos braços do amor,
sentir seu corpo etéreo, pura luz,
compondo rastro áureo, enganador,
que mesmo ilusório nos conduz
por ruas e vielas de candor.
Singela distorção que nos seduz,
trazendo à noite a cor da madrugada
e dissolvendo o tudo em quase nada.


Recife, 2010

- Revisado em 24/01/2018

terça-feira, 18 de maio de 2010

Reflexões



REFLEXÕES

Clóvis Campêlo

Com o tempo se fica apreensivo
As lembranças remontam ao passado
O presente se torna sem motivo
E o futuro perigo anunciado


Recife, 2010-


quinta-feira, 6 de maio de 2010

A beata do Juazeiro do Norte


Fotografia de Clóvis Campêlo/1993

A BEATA DO JUAZEIRO DO NORTE

Clóvis Campêlo
 

Com mais de 240 mil habitantes, Juazeiro do Norte fica no sul do Ceará, a 514 quilômetros de Fortaleza. Segundo a Wikipédia, graças à figura de Padre Cícero Romão Batista, hoje a cidade é considerada o maior centro de religiosidade popular da América Latina.
Inicialmente, com o nome de Tabuleiro Grande, era apenas um distrito da cidade do Crato até que o jovem sacerdote lá se instalou. Segundo a lenda, o padre foi o responsável pelo chamado milagre de Juazeiro, quando a hóstia dada à beata Maria de Araújo transformou-se em sangue.
Padre Cícero esteve pela primeira vez em Tabuleiro Grande no Natal de 1871 para rezar a Missa do Galo. Retornaria no dia 11 de abril de 1872 para dali não mais sair. Segundo o próprio padre, a decisão de ali se fixar aconteceu depois de um sonho profético, tido por ele, onde Jesus Cristo e os doze apóstolos lhes apareciam, sentados em uma mesa, cercados por uma multidão de doentes e famintos. Cristo se declarava decepcionado com a humanidade e ordenava ao padre que deles tomasse conta.
Inspirado pelo Padre Ibiapina, Padre Cícero logo tratou de mudar os costumes do lugar, criando as Casas de Caridade que levavam educação, saúde e auxílio religioso ao povo sofrido.
Hábil articulador político, em julho de 1911 consegue a emancipação político do lugar, que passa a se chamar Juazeiro, sendo eleito como o primeiro prefeito da nova cidade.
O mito tomava corpo e se solidificava no imaginário popular.
Fotografei a beata acima, em Juazeiro do Norte, em 1993. As marcas profundas no seu rosto demonstram que pouco mudou para amenizar o sofrimento daquele povo ao longo dos anos. Nada, porém, que seja capaz de desmontar a fé cega da sua crença religiosa.
Ainda segundo a Wikipédia, em 1925, a Coluna Prestes percorria o interior do Brasil. O governo federal montava diversos grupos armados para combater o grupo. Na região o encarregado de organizar a milícia foi o médico Floro Bartolomeu, que criou o chamado Batalhão Patriótico.
Para fortalecer o grupo, Floro teve uma ideia inusitada: convidar o temido cangaceiro Lampião para integrar o Batalhão Patriótico. Como argumentos, o caudilho usou o nome de Padre Cícero e ofertou a anistia ao bando de Lampião.
Em 1926 Lampião chegou em Juazeiro do Norte acompanhado de quarenta e nove homens com o intuito de servir ao Batalhão Patriótico. Ao contrário do que os cangaceiros achavam, Padre Cícero somente ficou sabendo do acordo alguns dias antes da chegada do bando a Juazeiro. Em outra versão, defendida pelo historiador Billy James Chandler, o convite teria sido feito pelo próprio sacerdote.
Como Floro Bartolomeu estava no Rio de Janeiro em tratamento médico, o general das forças juazeirenses Pedro de Albuquerque Uchoa foi o encarregado de conceder a patente de capitão ao cangaceiro.
Ao encontrar Lampião e seu bando, Padre Cícero recomendou que abandonassem o cangaço e que passassem a respeitar as leis. Uma de suas frases mais conhecidas foi proferida nesse encontro: "Quem matou não mate mais, quem roubou não roube mais".
Os cangaceiros deixaram Juazeiro sem receber a anistia prometida e sem nunca enfrentar a coluna Prestes.